quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Segurança no verão: dicas para cuidar das crianças em praias e piscinas


Calor é sinônimo de crianças brincando em praias e piscinas. Para que eles curtam o verão sem riscos é preciso tomar alguns cuidados. A pediatra Eliana Biondi, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), explica que mães e pais devem ser bons observadores para prever acidentes: "A melhor forma de evitar emergências e situações de risco em praias e piscinas é fazer a análise do ambiente antes de sair de casa, prevendo o que pode acontecer. A ideia é manter os filhos em segurança sem tirar-lhes o gosto pela brincadeira ao ar livre. Por mais que sejam espertas e inteligentes, essa é uma responsabilidade dos pais, não das crianças".

Eliana diz que uma pulseira ou tag de identificação é necessária para o passeio em praias e parques aquáticos. "Ela deve ser feita de material impermeável e escrita com caneta que não apague na água. Na pulseira devem constar o nome da criança, dos pais, endereço e telefones de contato", recomenda Eliana.

Crianças devem ser supervisionadas por adultos
No Brasil, entre os acidentes com crianças, os afogamentos são a segunda causa de morte e a oitava de hospitalização na faixa etária de 1 a 14 anos. A pediatra explica que o perigo não está somente nas praias, mas também em piscinas de residências, condomínios e hotéis. "Uma criança submersa por poucos minutos pode perder a consciência e ter danos cerebrais graves para o resto da vida. Não é preciso se sentir martirizada e passar o dia brincando dentro d'água, mas é necessário que haja um adulto responsável por perto, mesmo que a criança saiba nadar", orienta Eliana.

Em seu consultório, Eliana percebe que a maioria das mães ainda deixa a criança brincando horas seguidas sob o sol ou dentro d'água e faz uma recomendação importante: "O melhor horário para atividades ao ar livre é até às 10 horas e após as 16 horas, mas isso não significa que a criança deva passar todo esse tempo dentro da piscina ou correndo no sol. Bebês, por exemplo, devem ficar no máximo 20 minutos em exposição direta. Após esse tempo é preciso deixá-los em lugar ventilado e com roupa fresca. Mais tarde, você pode colocá-lo mais 20 minutos, sempre observando se a criança está com sede, se parece sentir calor".

Curso ensina crianças a escapar de situações de risco
A pediatra diz que, em geral, as crianças se desesperam em situações críticas, como uma onda que a puxa para longe da praia. Para deixá-las mais confiantes e tranquilas em situações de emergências, a professora de Educação Física Stella Torreão, diretora técnica do Espaço Stella Torreão no Rio de Janeiro, desenvolveu uma turma de natação diferente. Trazida pela professora de uma viagem ao Canadá, a aula é uma verdadeira brincadeira para os pequenos, que praticam atividades na água com roupas comuns. "O peso das roupas interfere bastante nos movimentos das crianças pequenas dentro d'água, o que dificulta a saída da piscina sem ajuda de um adulto, em caso de emergências. Quando uma criança desenvolve o hábito de nadar vestida com roupas comuns fica muito mais fácil se salvar sozinha em uma situação desse tipo", diz.

Apesar de lúdica, a aula vai muito além da simples diversão. O objetivo é ensinar as crianças a ter reações mais rápidas no caso de quedas acidentais em piscinas, principalmente em momentos que estão longe dos adultos.


Fonte: GNT

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Refeições saudáveis


Num mundo onde o fast food domina grande parte das redes alimentícias, muitas pessoas têm buscado meios de manter uma alimentação mais saudável. Seja para mudar o estilo de vida, perder peso ou melhorar a saúde, uma nutrição adequada não se preocupa apenas com o que é ingerido e sim quando é ingerido, quanto é ingerido e como foi preparado o alimento que é ingerido. E estudos realizados durante muitos anos transformaram o simples hábito de se alimentar em uma poderosa ferramenta para a saúde.

É essencial que todas as pessoas tenham uma alimentação balanceada, com carboidratos, fibras, frutas, hortaliças, proteínas, açúcares e gorduras, mas, tudo deve ser dosado e ingerido da maneira e quantidade certa. O mais indicado é que cada um procure um nutricionista para que possa receber uma dieta especial, adequada ao tipo de rotina e aos gostos da pessoa.

Muitas vezes são as pequenas mudanças que fazem diferença nutricional na hora do preparo dos alimentos. A escolha dos temperos, por exemplo, é muito importante no cozimento dos alimentos.

Segundo a nutricionista Roberta Silva, especialista em atendimento nutricional, podem ser usados cebolinha e alho poró para preparar omeletes, risotos, recheios de torta, para carnes vermelhas, brancas, batatas e molhos. Na sopa, pode-se acrescentar salsa, salsinha, tomilho ou louro, para peixes, aves e verduras adicionar curry. “Geralmente as pessoas não tem o hábito de utilizar esses temperos, mas se experimentarem vão ver que são excelentes, e que além de dar sabor aos pratos, a refeição fica muito mais saudável”, explica Roberta.

Confira uma lista de dicas que as nutricionistas deram para mudar os hábitos alimentares e manter a alimentação mais saudável:

1. Refeições pré-preparadas
Quando um alimento é preparado de uma maneira desconhecida é melhor não consumir. Normalmente, os pratos prontos contêm muito sódio e conservantes. O sódio, além de reter líquidos, prejudica os rins e aumenta a pressão arterial, o que pode causar complicações para quem tem doenças cardiovasculares.

2. Temperos prontos

É muito mais simples utilizar temperos prontos para arroz, carnes ou outros alimentos, entretanto, esses temperos contêm sódio em excesso. Prefira sempre a combinação de alho e cebola para refogar os alimentos e abuse dos temperos naturais.

3. Óleo de soja no cozimento, azeite na finalização

Se for necessário utilizar óleo no preparo do alimento, use pouco e prefira o óleo de soja, este resiste a temperaturas mais altas e não oxida tão facilmente a médias temperaturas. Prefira utilizar o azeite e o óleo de canola, que tem uma estrutura molecular mais frágil na finalização dos alimentos.

4. Laticínios com muita gordura

O leite, o queijo e outros derivados são fontes de cálcio, mas a gordura presente nesses alimentos não acrescenta valor nutricional nenhum. Substitua por versões desnatadas e semi desnatadas. Além disso, pode-se usar iogurte natural no lugar de creme de leite no estrogonofe, por exemplo. Existe uma infinidade de receitas que utilizam o iogurte de maneira saudável e sofisticada.

5. Talos de legumes
Não jogue fora os talos de agrião, cenoura, beterraba, couve e outras verduras e legumes, estes talos contêm vitaminas, minerais e fibras. Limpe, pique e refogue com temperos naturais. Todas as folhas verde-escuro são ricas em ferro, não deixe de aproveitá-las.

6. Arroz sem óleo e com temperos naturais

Para fazer um arroz delicioso e nutritivo não é necessário usar nem óleo, nem temperos prontos. Na hora de dourar o alho e a cebola, coloque água fervendo, a água faz o trabalho do óleo e o arroz fica sem gordura.

7. Feijão com legumes

Na hora de cozinhar o feijão coloque junto na panela de pressão pedaços de abóbora ou beterraba. Os legumes se desmancham e deixam o feijão com um gosto ótimo e muito mais nutritivo. Evite colocar carne vermelha no preparo, além de serem muito gordurosas, os embutidos, como a linguiça, normalmente são temperados com muito sal.

8. Cozimento de legumes

Mantenha a panela fechada quando cozinhar verduras e legumes. Como o vapor permanece na panela, as vitaminas continuam na água do cozimento. Aproveite essa água em outras preparações, como no cozimento de molhos, sopas, arroz e feijão. Dessa forma você terá pratos mais nutritivos.

9. Evite frituras

Hambúrguer, batata, bife a milanesa e nuggets podem ser assados no forno. Basta colocar os alimentos na assadeira e levar ao forno. Se a assadeira for anti-aderente, não é necessário untar. Caso não seja e o alimento puder grudar, unte a assadeira com um pouco de margarina. “Deixando de comer alimentos fritos, imersos no óleo, você deixará de consumir uma grande quantidade de calorias e também evitará problemas de saúde, como obesidade, colesterol elevado e o aparecimento de doenças do coração”, explica a nutricionista Roberta Silva.

10. Adote o hábito de fazer almôndegas e hambúrgueres caseiros

Para evitar as carnes muito gordurosas, utilize peito de frango moído ou carne bovina magra. Para dar “liga” na massa da almôndega, uma boa opção é usar aveia em flocos finos em substituição à farinha de trigo, pois a aveia é rica em fibras, o que ajuda a diminuir o colesterol e a eliminar as gorduras sobressalentes da alimentação. As almôndegas podem ser cozidas em molho de tomate caseiro e o hambúrguer pode ser grelhado em frigideira antiaderente ou assado.

11. Prepare seu próprio molho de tomate
Basta picar os tomates bem maduros, refogar com alho, cebola e o que mais desejar, cobrir com água e deixar cozinhando em fogo baixo até que o tomate se desmanche. Você pode acrescentar um pedaço de cenoura junto, o que ajuda a tirar a acidez do molho. Depois de cozido, bata no liquidificador e está pronto, é só colocar em potinhos, fechar bem e congelar. Dessa forma o molho será bem mais saudável, evitando o uso de enlatados, alimentos industrializados, que geralmente contém bastante sódio e conservantes.

12. Faça suco de frutas natural

Procure frutas da época, pois estas estarão sempre mais saborosas e faça sucos. Não é necessário adoçar, pois muitas frutas já tem seu sabor doce o suficiente. Você pode optar também por alguns truques que deixam o sabor do suco mais suave, como por exemplo, adicionar hortelã ao suco de abacaxi. Utilize as cascas das frutas para preparar chá ou suco, porque essa parte da fruta é rica em fibras que auxiliam o bom funcionamento intestinal.

13. Substitua as sobremesas por frutas

As frutas são importantes fontes de vitaminas, fibras, água e potássio e seu consumo diário é essencial para uma dieta balanceada. Mas suas funções só se aplicam corretamente se elas não forem adoçadas. Não é recomendando comer morangos, por exemplo, e acrescentar leite condensado. Quando surgir a vontade de comer um doce, coma uma fruta, com o tempo o paladar se acostuma com aquela quantidade de açúcar e o doce de uma fruta passa a ser tão gostoso quanto o de um sorvete.

14. Ouse no sabor

Use e abuse de temperos para dar gostos especiais aos pratos, mas não utilize nada artificial. Use ervas no preparo dos alimentos, aproveite inclusive os talos e as ervas secas como orégano, salvia e alecrim. Para fazer sobremesas saudáveis use canela, gengibre e baunilha em frutas cozidas.

Alimentação das crianças
Além das dicas das nutricionistas para melhorar o hábito cotidiano de cozinhar, a gastro pediatra Ana Renata Badan deu dicas para a melhorar a alimentação das crianças:

A partir dos oito meses de idade é importante separar os ingredientes da papinha para a criança para que ela comece a distinguir os sabores, assim ela vai se acostumando com o fato de que cada alimento tem um sabor diferente e único e aprende o que agrada ou não ao paladar.

E se a criança não come?

O certo é inserir desde cedo todo o tipo de alimento, mas se a criança não estiver comendo, existem truques para inserir legumes e verduras na alimentação. Ralar cenoura no arroz, bater beterraba ou espinafre na massa da panqueca, salpicar linhaça triturada no feijão ou bater verduras, como couve, no suco da criança. Mas a pediatra avisa “Isso é para casos extremos”.

“O ideal é introduzir a alimentação saudável o quanto antes, optar por alimentos orgânicos, ler o rótulo dos produtos que comprar e escolher os que tenham menos sódio, os integrais, sem açúcares ou conservantes. E se você não puder dar o suco natural, existem opções no mercado que são válidas, é só saber escolher”, alerta Ana Renata.

Fonte: Dicas de Mulher

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

5 motivos para consumir arroz integral



Um grão nutritivo com poderes inimagináveis, o arroz integral ajuda no controle da diabetes, mantém o colesterol em níveis aconselháveis e inibe o apetite.

O arroz é uma importante fonte de carboidratos que são responsáveis por gerar energia no organismo. Quando colocado em uma refeição que contenha feijão, legumes, verduras e uma carne, especialistas consideram que nos quesitos nutricionais o prato está corretamente balanceado.

Um dos principais itens no prato do brasileiro, o arroz branco, em seu processo de industrialização é colocado em uma máquina que retira as cascas e consequentemente muitos de seus nutrientes.
Segundo a nutricionista Gisela Peres da Santa Casa de Misericórdia (RJ), fora de uma refeição balanceada, o arroz branco é considerado uma “caloria vazia”.

Como é difícil tirar o arroz da refeição de todos os dias, o jeito é tentar substituir o branco, pelo menos em algumas vezes da semana, por arroz integral.

O arroz integral possui o mesmo valor calórico do arroz branco, mas tem níveis de fibras solúveis e insolúveis, proteínas, sais minerais e vitaminas muito mais altos, tornando-se uma opção mais saudável.

5 motivos para consumir arroz integral

Muito bom para quem quer emagrecer
Este item é, sem sombra de dúvidas, o mais importante na lista de quem está de dieta. Apesar de conter a mesma quantidade de calorias que o arroz branco, o arroz integral tem um processo de industrialização diferente: não são retiradas as cascas e a película que o envolve, portanto a quantidade de fibras que este arroz contém é muito maior. “Como sua digestão é mais lenta por conta das fibras ali contidas, o arroz integral permanece mais tempo no estômago, promovendo maior sensação de saciedade. Além disso, mantém estável o nível de açúcar no organismo, isso favorece para que esse açúcar não fique acumulado em forma de gordura no abdômen’, afirma Gisela.

Melhora o funcionamento do sistema gastro-intestinal
Mais uma vez, por causa de suas fibras, o arroz integral é um herói para tem problemas de prisão de ventre. Por conta das suas fibras solúveis, que são responsáveis por absorver a água se transformando em uma substância gelatinosa que absorve a gordura e impede sua absorção pelo organismo, esta fibra favorece o trânsito intestinal. Mas, segundo os nutricionistas é sempre bom lembrar que se aumentar os níveis de fibras na alimentação é preciso aumentar também o consumo de água.

Ajuda a prevenir o câncer de cólon
Não só o arroz integral, mas os pães integrais, os cereais e alimentos que contenham fibras, em geral, ajudam na prevenção do câncer de cólon. Estudos realizados pelo Colégio Imperial de Londres e pela Universidade de Leeds, na Inglaterra, associaram o consumo de fibras solúveis à prevenção de tumores. Por formarem a substância gelatinosa que absorve gordura, as fibras, apesar de não serem digeridas pelo organismo, ajudam a regularizar o funcionamento do intestino, reduzindo assim as probabilidades do desenvolvimento de câncer de cólon.

Mantém os níveis de glicose no sangue estáveis

Estudos feitos na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, comprovam que o consumo excessivo de arroz branco pode favorecer o aparecimento da diabetes nas pessoas. Isso ocorre porque no processo de industrialização o arroz branco passa a ter um índice maior de açúcar do que o arroz integral. Além disso, o arroz integral é rico em fibras solúveis que também são responsáveis por retardar a absorção de açúcar pelo organismo após as refeições, por isso ajuda a manter os níveis de glicose controlados. Uma boa opção para diabéticos que não abrem mão de comer arroz.

Ajuda a reduzir o colesterol ruim
“Entre tantos nutrientes presentes no arroz integral estão os lipídeos, principalmente os ácidos palmítico, oléico e linoléico, que também ajudam na síntese de hormônios importantes e na redução do colesterol ruim, aumentando os níveis do colesterol bom”, explica a nutricionista Gisela Peres.

O mais importante para começar uma receita com arroz integral é que na hora do cozimento ele fique “al dente”, para não sofrer perdas de nutrientes. A dica para quem não está com o paladar acostumado com o sabor do arroz integral é ir misturando porções de arroz branco, diminuindo gradativamente a quantidade até chegar no prato com apenas arroz integral.

Fonte: Dicas de Mulher

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Seja mais tolerante


A correria e a pressão do final de ano deixa as relações do dia a dia ainda mais tensas, e falta paciência para lidar com situações de conflito. Especialistas dão orientações de como ser mais tolerante já!

APRENDA A OUVIR
Não concorda com outra pessoa? Tudo bem! Mas você precisa escutar e aceitar se quer ser escutado. “Quando aprendemos a ouvir, abrimos espaço para o diálogo.”, explica a psicanalista Monica Donetto Guedes. “Colocamos as nossas ideias como verdades inquestionáveis e ficamos ‘surdos’ ao que as pessoas têm a nos dizer. No entanto, tolerância não significa passividade e muito menos omissão.  Se não concordamos, é preciso expor, mas sem impor a nossa vontade”, garante

RESPIRE FUNDO
Respirar é uma excelente maneira de acalmar os ânimos. Segundo a psiquiatra Patricia L. Gerbarg, da escola de medicina americana New York Medical College e coautora do livro The Healing Power of the Breath (O poder de cura da respiração), inédito no Brasil, certas técnicas de respiração corrigem desequilíbrios nos sistemas de resposta ao estresse, estimulando o nervo vago e enviando mensagens a áreas do cérebro responsáveis por avaliar, analisar, tomar decisões e regular emoções. "Essas mensagens nos convencem de que as condições são seguras e podemos nos acalmar e nos relacionar com outras pessoas de forma tranquila", conta. A técnica mais simples proposta pela pesquisadora se chama "respiração coerente" e envolve realizar, nos momentos tensos, cinco respirações por minuto, durante dez minutos, com inspiração e expiração em tempos iguais. Se a prática se tornar parte da sua rotina, do tipo 20 minutos ao dia, seu organismo ficará mais forte para enfrentar eventuais picos de ansiedade.

EXERCITE A PACIÊNCIA
Para evitar que uma discussão se inicie ou piore, controlar a ansiedade e se concentrar no que vai dizer e fazer é essencial. Prestar atenção no ânimo, respirar e diminuir o tom de voz são atitudes que ajudam a evitar conflitos.  “Procure formas de exercitar a paciência, seja pelo diálogo, pela adoção de atividades paralelas a situações das quais invariavelmente teremos que esperar, aguardar. Ser paciente pode ser uma alternativa sábia para o manejo do estresse e prevenção de transtornos, como síndrome do pânico”, explica a psicóloga Pamela Magalhães.

RESPEITE
Nada justifica o desrespeito, em qualquer área da vida. Para ser tolerante, é preciso respeitar a si mesmo e manter o respeito em relação ao outro. Ridicularizar e humilhar o próximo não irá fazer nada por você.  “Qualquer ideia pode ser repudiada, mas o afeto precisa ser preservado. Quando uma pessoa faz algo que discordamos, podemos reprovar sua atitude, mas sem destrato ou ofensas”, comenta Monica Donetto Guedes.

RECLAME MENOS
Em alguns momentos reclamar pode ser inevitável, mas cuidado para não fazer dessa atitude um hábito. A reclamação constante e exagerada diminui o entusiasmo e rouba energia,  tornando a pessoa amargurada e pouco agradável.  “Procure observar se as queixas estão frequentes, isso pode se tornar um vício. Muitas vezes reclamamos sem nos dar conta, sem perceber que estamos enxergando a vida de forma negativa”, diz Pamela Magalhães.

RESOLVA OS CONFLITOS
Pacificar o ambiente para manter a harmonia deve ser a missão de quem quer praticar a tolerância, seja em casa, no trabalho ou entre amigos. Haja de forma sincera e verdadeira diante de situações de conflito. Busque resolver exaltando o lado positivo da questão. “O exercício de se colocar no lugar do outro pode ajudar quando se está diante de uma situação que pode gerar atritos”, garante a psicanalista Monica Donetto Guedes.



Fonte: M de Mulher

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Como a bicicleta pode melhorar a saúde


Se você mora em grandes cidades, é possível que já tenha percebido um aumento significativo no número de pessoas que usam a bicicleta como meio de locomoção. A possibilidade de escapar do caos no trânsito e a consciência ecológica desenvolvida por meio da divulgação são alguns dos principais motivos alegados por quem já deixou o carro de lado para adotar a bike como estilo de vida.

De acordo com os responsáveis pelo “Bicicultura Maringá”, grupo que se articula para transformar a bicicleta em uma atividade cada vez mais comum no cenário da terceira maior cidade do Paraná, o número de adeptos da “magrela” vem se ampliando significativamente. O grupo acredita que, mais que a recente conscientização das pessoas quanto à importância da busca por alternativas para aliviar o trânsito e a divulgação realizada por organizações como a deles, o que efetivamente contribui para esse aumento no número de praticantes é a própria rede de marketing criada por esses mesmos praticantes.

Para Adriano Gabriel, administrador da página do Bicicultura no Facebook e um dos coordenadores do grupo, “a melhor propaganda da bicicleta é ver pessoas que ganharam qualidade de vida, abandonaram o cigarro ou o sedentarismo e fizeram novos amigos. É algo contagiante: um puxa outro e todos ganham com isso”.

A mesma sensação positiva parece se materializar em todas as pessoas que descobrem na cultura da bicicleta um refúgio para o caos vivido nas grandes cidades. Amanda Castro, assistente comercial, adotou os pedais há um ano e não consegue mais ficar longe deles. “Comecei a frequentar os “pedais” [eventos semanais, normalmente noturnos, que visam a integração dos ciclistas e a divulgação da bicicleta como prática de vida] porque alguns amigos me convidaram. Percebi logo o quanto aquilo poderia agregar à minha vida, tanto física quanto psicologicamente, e me tornei quase uma viciada”, diverte-se.
Para enfrentar o caos psicológico que permeia a vida nas grandes cidades, esse tipo de exercício é uma opção diferente e eficaz. Para Amanda, “o uso da bicicleta promove bem-estar físico e psicológico. Para quem não tem tempo de parar e olhar a paisagem do lugar em que vive, pedalar é um presente. A sensação é maravilhosa e quase impossível de se descrever, como quando você sente aquele cheiro de terra molhada antes de uma chuva”.

O corpo também não poderia ser mais beneficiado. Ela conta que emagreceu cerca de oito quilos em dois meses, logo que começou a pedalar. Essa perda também foi acompanhada do ganho de massa muscular. “Para a autoestima, foi incrível. Ganhei perna e perdi gordura”, brinca.

Tonifica as pernas;
ajuda a perder gordura;
auxilia no ganho de massa muscular;
relaxa;
melhora a qualidade de vida;
é uma boa opção para fugir do trânsito
possibilita que você “curta” a paisagem
aumenta a autoestima.

Dicas para quem quer começar a pedalar

Gabriel é taxativo ao lembrar que “antes de iniciar em qualquer atividade física, vale consultar um profissional da saúde. Tendo o aval do seu médico, comece a pedalar gradativamente. Primeiro nas ruas do bairro próximo de sua casa, depois nos parques e assim os desafios vão aumentando junto ao prazer na atividade física”.

”Não é necessário gastar muito, inicialmente. Se o objetivo é apenas fazer trajetos urbanos curtos, uma bicicleta mais simples dá conta do recado. Se possível, faça um “test drive” na bicicleta antes de comprar. Identifique o tamanho de quadro adequado e procure um selim (banco da bicicleta) confortável”, indica Gabriel. O quadro varia de acordo com o tamanho de quem vai utilizar a bicicleta, para saber qual o tamanho adequado para você, procure uma bicicletaria.


Fonte: Dicas de Mulher

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Hábitos que podem evitar um AVC


O cérebro controla tudo o que o corpo faz – não só os movimentos, mas também a forma de uma pessoa pensar, se comunicar, sentir. Um AVC (acidente vascular cerebral) acontece justamente quando o fornecimento de sangue para uma parte do cérebro é impedido, fazendo com que as células cerebrais fiquem danificadas e impossibilitadas de cumprir suas funções.

Um exemplo simples: se um AVC danificar a parte do cérebro que controla o movimento dos membros, a pessoa ficará com essa função afetada. Mas ele pode ainda, em outro caso, afetar a fala etc.

Gisele Sampaio, neurologista do Hospital Albert Einstein, destaca que existem dois tipos de AVC: o acidente vascular cerebral isquêmico e o acidente vascular cerebral hemorrágico. O isquêmico acontece quando um coágulo bloqueia a artéria que leva o sangue para o cérebro. O hemorrágico ocorre quando há ruptura de uma artéria intracraniana.

Um AVC costuma ser uma experiência muito ruim, tanto para o paciente como para a família ou pessoas que convivem com ele.

Gisele explica que após o AVC, pacientes podem apresentar complicações como infecções, trombose em membros inferiores e escaras (tipo especial de lesões da pele, de extensão e profundidade variáveis). “Mas, todas essas complicações podem ser evitadas com um bom cuidado médico e de uma equipe multiprofissional”, destaca.

Um AVC pode ser evitado?

Algumas pessoas, infelizmente, estão mais propensas a sofrer AVC devido a fatores que não podem ser alterados:

Idade: as pessoas mais velhas estão mais vulneráveis ao AVC;

Histórico familiar: a pessoa corre mais riscos se alguém da família já sofreu um AVC;
Sexo: os homens com menos de 75 anos sofrem mais AVC do que as mulheres (com menos de 75 anos).

Mas, vale destacar, o AVC não é inevitável. Existem, sim, medidas simples que podem ajudar a reduzir os riscos. Elas se resumem, basicamente, em adotar uma alimentação e hábitos de vida mais saudáveis.

11 passos que você deve seguir para evitar um AVC
1. Não fume. O fumo duplica o risco de ter AVC e, por isso, abandonar de vez o cigarro é uma das medidas mais importantes para quem quer evitá-lo.

2. Evite o consumo de álcool. Tomar um copo de cerveja ou de vinho, por exemplo, socialmente, não é um problema, mas beber muito eleva a pressão arterial, o que pode ser extremamente perigoso.

3. Coma vegetais e frutas. Uma alimentação saudável, que inclua vegetais e frutas, é fundamental para a saúde do coração e da corrente sanguínea. A recomendação geral é comer pelo menos cinco porções de frutas e vegetais por dia (mas o ideal é seguir as orientações do seu nutricionista).

4. Evite as carnes com muita gordura. Substitua, sempre que possível, as carnes vermelhas (que na maioria dos casos tem muita gordura saturada) por peixes, aves (sem pele) ou pratos vegetarianos.

5. Reduza o consumo de sal. Não acrescente muito sal a saladas e comida em geral e evite alimentos processados, pois o sal eleva a pressão sanguínea.

6. Aumente o consumo de fibras. Presentes nos cereais integrais, aveia, arroz e pães integrais etc., as fibras ajudam a controlar os níveis de gordura no sangue.

7. Não exagere na quantidade de gordura ingerida. Procure seguir uma alimentação balanceada, que contenha somente o mínimo necessário de gordura, para evitar entupir as artérias e aumentar excessivamente seu peso.

8. Controle seu peso. Siga uma alimentação saudável, se necessário, com o acompanhamento de um nutricionista, para se manter no seu peso ideal. O sobrepeso e a obesidade são fatores de risco para pressão arterial alta, doença coronária e diabetes – que aumentam o risco de AVC.

9. Exercite-se. A prática de atividades físicas frequente te ajuda a controlar o peso, a baixar a pressão arterial, cria um equilíbrio saudável das gorduras do sangue e oferece muitos outros benefícios.

10. Visite seu médico com frequência. De acordo com a neurologista Gisele, tratar hipertensão arterial, diabetes, dislipidemia; conhecer a presença de fatores de risco, como estreitamento das artérias cervicais e arritmias como a fibrilação atrial (batimento irregular do coração) e tratá-los adequadamente são atitudes que ajudam a reduzir o risco de AVC.

11. Tente evitar o estresse. Nem sempre é fácil, mas é importante evitar situações que te deixem nervosa, triste. O estresse e a depressão, se não tratados, podem provocar problemas de saúde a longo prazo. Procure estar entre sua família e pessoas que são, de fato, importantes para você e te fazem bem.

Os principais sinais do AVC

A neurologista Gisele destaca quais são os sintomas do acidente vascular cerebral:

Paralisia de um lado do corpo;
Perda de sensibilidade de um lado do corpo;
Perda de visão súbita (em um campo visual);
Visão dupla;
Dificuldade súbita para falar ou compreender a linguagem;
Cefaleia intensa.
“Diante desses sinais, é preciso procurar rapidamente um serviço médico capacitado em atender pacientes com doenças neurológicas agudas”, finaliza Gisele.

Então, lembre-se: hábitos simples – como melhorar sua alimentação, se exercitar, evitar o álcool e o cigarro, etc. – fazem toda a diferença e podem prevenir um AVC. Cuide-se sempre!


Fonte: Dicas de Mulher

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Conheça 8 aplicativos de celular gratuitos para saúde e fitness


O aplicativo tem o objetivo de incentivar a meditação como fator de melhora da qualidade de vida das pessoas. Você pode programar seu horário e controlar seu tempo de meditação.

Traz informações de como meditar corretamente e explicações sobre os benefícios deste tipo de exercício (como a melhora do humor ao longo do dia, por exemplo).

É um aplicativo criado para lembrar você da hora certa de meditar.

Versão: Free
Plataformas: Android e iOS
Site: http://www.eumedito.org/

Beba Água (Water Your Body)
Este app te lembra de beber água em intervalos regulares todos os dias,  rastreia seus hábitos de consumo de água e fornece depois estatísticas. Você só precisa colocar o seu peso atual e o aplicativo calcula a quantia ideal de água que seu corpo precisa todos os dias.

Versão: Free
Plataformas: Android

Carenet Longevity
O app brasileiro inova ao oferecer a possibilidade de monitorar e integrar informações de todas as áreas de importância crítica para sua saúde: não só atividades físicas, mas também sono, alimentação e até informações médicas. Com o auxílio de questionários simples e do KliP – um dispositivo equipado com sensores que monitoram suas atividades – o app mostra como mudanças comportamentais impactam no processo de envelhecimento permitindo um maior cuidado de sua qualidade de vida.

permite desafios e competições com rede de amigos ou desconhecidos
agenda e histórico médico
contador de calorias
Versão: Free (mas sem o KliP – em torno de R$199 – os dados precisam ser inseridos manualmente)
Plataformas: Android e iPhone
Site: http://carenet.com.br

Quer 10% de desconto na compra do KLiP?

Deixe um comentário nesse post! Ou envie um email para vidaplenaebemestar@gmail.com

 Endomondo
Um verdadeiro personal trainer de bolso. O aplicativo promete controle de atividades físicas, calorias perdidas, tempo gasto, periodicidade dos exercícios físicos dentre outras estatísticas e desafios. Ideal para corrida, ciclismo, caminhada e qualquer outra atividade baseada em distância. Oferece suporte para mais de 40 atividades distintas.

feedback sonoro
funciona com monitores cardíacos padrões BTLE, BT e ANT+
análise de performance
Versão:  Free e Premium (USD 29,99)
Plataformas: iOS, Android, Blackberry e Windows Phone
Site: https://www.endomondo.com/


My Fitness Pal – Contador de Calorias
App para controle nutricional. Promete ajudar a perder os quilos extras através do contador de calorias e registro de atividades físicas. Possui um banco de dados de alimentos de mais de 3 milhões de alimentos.  Você pode monitorar todos os principais nutrientes, obter relatórios de progresso, metas personalizadas baseadas em seu perfil de dieta, além de uma calculadora de receitas, com unidades métricas brasileiras e inglesas.

integra os dados do app no site e compartilha progressos nas redes sociais
scanner de código de barras
grava refeições
monitora mais de 350 exercícios
Versão: Free
Plataforma: Android, iOs, Windows Phone
Site: http://www.myfitnesspal.com.br/

Saúde Mais Fácil
Esse aplicativo de iniciativa da Roche permite localizar farmácias privadas pertencentes ao programa Farmácia Popular do Ministério da Saúde, Centros de infusão de medicamentos do sistema público e privado para as seguintes áreas terapêuticas: Oncologia, Hematologia e Reumatologia e centros de dispensação de medicamentos para doenças autoimunes como a Artrite Reumatoide. Com apenas alguns toques na tela, a busca pode ser feita por geolocalização, tipo de estabelecimento ou, ainda, por região (estado, cidade, bairro) do estabelecimento e/ou usuário.

Versão: Free
Plataformas: Android e iOs

SleepBot – Sleep Cycle Alarm
Um app para monitorar o seu sono. Aciona o alarme do telefone te lembrando do horário ideal para dormir e te acordando na fase mais leve. Ele usa uma acelerômetro para medir seus movimentos e também permite gravar sons. Oferece depois estatísticas sobre a qualidade geral do seu sono. Você vai ter que dormir literalmente com o celular por perto e o app recomenda deixá-lo ligado para preservar a bateria. (o que não parece muito seguro..)

Versão: Free
Plataforma: Android e iOs
Site: https://mysleepbot.com/

Yoga.com Studio
O aplicativo oferece 289 poses e exercícios de respiração, em 37 programas pré-definidos. Traz demonstrações de vídeo HD para todas as poses, além de imagens musculares em 3D para cada pose. Em inglês. Os usuários reclamam do inconveniente de ter que baixar cada pose individualmente consumindo a memória do telefone.

Versão: Free
Plataforma: Android
Site: https://yoga.com/


Fonte: Vida plena