sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Estudo revela que morar perto da natureza melhora a saúde física e mental



“Eu quero uma casa no campo, onde eu possa compor muitos rocks rurais e tenha somente a certeza dos amigos do peito e nada mais.” O trecho de Casa no campo, canção famosa gravada por Elis Regina, é um exemplo da vontade comum entre muitas pessoas de fugir para perto da natureza como uma tentativa de encontrar mais felicidade e calma. Além de ser fonte de tranquilidade, o verde pode trazer mais saúde, indicam estudos recentes.

Pesquisas divulgadas por cientistas ingleses e finlandeses mostram que pessoas que moram perto da natureza têm uma saúde melhor do que as moradoras de locais totalmente urbanos. Os estudiosos descobriram ainda que o contato regular com o verde tem efeito a longo prazo. Mesmo após uma mudança de endereço, os benefícios da experiência permanecem durante anos.

Isabel Cavalcanti, 34 anos, conseguiu alterar a rotina e aumentar a qualidade de vida há oito anos, quando se mudou de uma casa para um haras, ambos em Sobradinho. Ela trocou de endereço para ficar mais perto da família do marido e percebeu as mudanças em pouco tempo. “Encontrei novidades que mudaram o meu modo de viver. Antes, eu tinha uma vida mais sedentária, não realizava exercícios nem me preocupava muito com a minha alimentação. Hoje, caminho nas trilhas que temos aqui no haras e consigo fazer as refeições de casa com os legumes da horta que cultivamos aqui”, conta.

Isabel acredita que essas mudanças fizeram com que ela e sua família conseguissem viver com mais qualidade. “Meu filho nasceu aqui e foi criado solto, com muita liberdade, animais por perto como tucanos e araras. Para ele, é bem divertido e saudável e, para nós, também. Nosso estilo de viver mudou para melhor”, avalia.

Ian Alcock detectou resultados semelhantes ao avaliar mais de mil participantes em um estudo conduzido na Universidade de Exeter Medical School, no Reino Unido. Alcock e equipe focaram em dois grupos de pessoas: aquelas que foram viver em áreas urbanas mais verdes e as que se mudaram para as áreas urbanas menos verdes. A análise durou cinco anos e os pesquisadores descobriram que a ida para áreas mais verdes resultou em uma melhora imediata na saúde mental dos participantes, que foi mantida por pelo menos três anos depois da troca de endereço.

O estudo, divulgado na revista Environmental Science & Technology, também constatou o inverso: queda na saúde mental em pessoas que passaram a viver em ambientes com menor contato com a natureza. “Esses resultados são importantes para os planejadores urbanos que trabalham com a introdução de novos espaços verdes para vilas e cidades, o que sugere que eles poderiam fornecer benefícios a longo prazo para as comunidades locais”, analisa Alcock.

Do lado de casa
Os espaços verdes não precisam ser exclusivos ou distantes dos centros urbanos, segundo a pesquisa. Frequentar o parque perto de casa também rende benefícios à mente e ao corpo. O professor universitário Gabriel Cardoso é triatleta. Mora em Águas Claras, cidade conhecida pelo grande número de construções e pelo trânsito pesado. Apesar das complicações que tiram o sossego, ele consegue escapar da bagunça todos os dias ao visitar o Parque de Águas Claras. “Venho para cá pela proximidade mesmo, bem em frente a minha casa. O espaço do parque é muito amplo e arborizado, o que me permite correr, pedalar, exercitar o meu hobbie em um ambiente bem agradável, bastante verde”, conta.

Uma das vantagens de morar perto do parque, para Gabriel, é que ele pode adequar os treinamentos à rotina e, desse modo, praticar mais exercícios, reservando um período do tempo também para ficar perto da natureza. “Acredito que a proximidade me dá bastante estímulo, a praticidade é uma vantagem, o triatlo exige uma quantidade de treinos muito grande e muito fixa. Uso os intervalos que tenho, seja de manhã, seja à noite, e consigo também curtir um pouco a natureza, o que me faz muito bem”, completa.

Pesquisadores finlandeses também reuniram provas de que um período de tempo pequeno por dia passado próximo a áreas verdes pode trazer resultados positivos. O trabalho foi feito pela equipe do Departamento de Saúde Ambiental e da Unidade de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar e publicado recentemente no Journal of Environmental. Os cientistas realizaram um experimento com 77 participantes que foram levados, após o expedientes, para três espaços com paisagens diferentes na cidade de Helsinque, na Finlândia.

As áreas visitas foram o centro da cidade, um parque urbano e uma floresta urbana. Os pesquisadores perceberam mudanças positivas quando os participantes iam aos locais em que tinham mais contato com a natureza. “Nossos resultados mostram que o grande parque urbano e a floresta urbana resultaram em quase a mesma influência positiva, mas, no resultado final, os efeitos positivos foram maiores nas visitas à floresta”, complementa Liisa Tyrväinena, uma das líderes do estudo.

Os cientistas acreditam que o trabalho mostra que passar um tempo próximo à natureza, mesmo que pequeno, pode fazer bem para o humor das pessoas. “As descobertas sugerem que até mesmo visitas de curto prazo para áreas naturais tem efeitos positivos em relação ao alívio do estresse”, detalha Tyrväinena no trabalho.

Segundo Denise de Lima Oliveira Vilas Boas, vice-presidente da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental, que muitas pesquisas na área de psicologia ambiental têm surgido com o foco em melhorias na saúde proporcionadas pela natureza. Os resultados seguem a linha das constatações feitas pelos estudiosos do Reino Unido e da Finlândia. “Esse é um ponto de pesquisa interessante. Ficar mais perto do meio ambiente pode fazer com que a pessoa se sinta mais motivada a praticar esportes, como correr, e esse é o primeiro passo para que se tenha mais qualidade de vida”, destaca.


Fonte: Correio Brasiliense

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Saiba o que a cor do alimento diz sobre seus benefícios à saúde


Os profissionais da nutrição são unânimes: quanto mais colorido o prato, mais saudável ele é. Isso porque diferentes tonalidades dos alimentos indicam propriedades nutricionais diversas, que, quando combinadas, formam uma refeição completa, cheia de saúde.

Alimentos brancos
Alho, cebola, etc.

São alimentos que possuem alicina, uma substância que auxilia na redução do colesterol.

Alimentos roxos
Repolho roxo, uva, beterraba, berinjela, etc.

São ricos em ácido elágico, que evita o envelhecimento precoce da pele. Contêm também substâncias como o resveratrol e as antocianinas, que são capazes de diminuir o risco de desenvolvimento de células cancerígenas.

Alimentos vermelhos
Tomate, pimentão vermelho, morango, maçã, etc.

Eles possuem antoacina, um flavonoide com ação imunoestimulante que ajuda no sistema circulatório. Já o licopeno, presente em grande quantidade, é um antioxidante bastante conhecido que auxilia na prevenção da osteoporose.

Alimentos verdes
Alface, rúcula, ervilha, espinafre, etc.

São alimentos ricos em ácido fólico, essencial para o bom funcionamento do sistema nervoso central e especialmente importante para as gestantes, pois auxilia na boa formação do tubo neural do bebê. Além disso, possuem luteína, betacaroteno, ferro, cálcio, fósforo e clorofila, todos importantes para fortalecer o organismo.

Alimentos amarelos
Manga, batata, mandioquinha, chili amarelo, laranja, etc.

Importantes para o bom funcionamento do sistema imunológico, visão e coração. Também beneficiam a pele e a mucosa. São ricos em betacaroteno e vitamina C.


Fonte: Bolsa de Mulher

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Adote novos hábitos e sinta-se ainda mais renovada.



Atraia boas energias1. Tome sol. A luz solar melhora o humor.

2. No banho, deixe a água escorrer bastante entre o ombro e o pescoço para aliviar a tensão.

3. Gargalhe mais. Isso faz o corpo liberar endorfina, que traz bem-estar.

4. Divida suas tarefas em etapas. Cada fase concluída será uma boa motivação para seguir em frente.

5. Evite pensamentos negativos. Eles são um desperdício de energia.

6. Filtre as companhias: algumas pessoas são como sanguessugas emocionais. Elas absorvem nossa energia e nos deixam para baixo.

7. Por outro lado, conviver com amigos queridos revitaliza o corpo e a mente. Marque mais encontros com eles ao longo do ano.

8. Pratique meditação para relaxar, evitar o estresse e recuperar a disposição.

9. Quebre a rotina. Seguir com os mesmos rituais todos os dias desanima qualquer um.

10. Quando for possível, caminhe descalça na grama ou na terra. Esse contato direto relaxa e traz energia.

11. Organize-se. Penar para conseguir achar alguma coisa entre pilhas desordenadas é cansativo demais.
Acorde disposta12. Levante-se ao primeiro toque do despertador. Estudos comprovam: quem faz isso fica mais ativo durante o dia.

13. Não deixe o despertador tocar muito alto. Isso gera uma descarga de adrenalina no organismo e faz você já começar o dia estressada. Diminua também o toque do telefone de casa e o do celular.

14. Ao acordar, coloque uma música agradável e tome um banho morno em seguida.

15. Antes de sair do chuveiro, deixe a água gelada cair por alguns minutos para espantar o sono.

16. Pense com leveza nos compromissos que terá durante o dia.

17. Nos dias frios, vede as frestas da janela e da porta do quarto. Com o local quentinho, você vai acordar disposta.

18. Antes de se levantar, respire profundamente para melhorar a captação de oxigênio e garantir mais ânimo.

19. Pressione o timo, região localizada entre os seios, para aumentar a energia. O ideal é dar tapinhas com a ponta dos dedos nessa área por 20 segundos, enquanto respira de forma lenta e profunda.

20. Espreguice-se bem. Esse movimento avisa o cérebro de que a pausa de descanso terminou.

Fonte: M de Mulher

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Medo de mudanças?



Viver é constantemente criar uma rotina. Mesmo aqueles que dizem detestar fazer sempre tudo igual, ainda sim, costumam criar para suas vidas algo muito parecido todos os dias. Essa necessidade de repetição é uma forma de manter o cérebro menos sobrecarregado. Quando fazemos coisas iguais não precisamos de tanta atenção e o cérebro "descansa". É a famosa expressão: "deixar no piloto automático" e seguir em frente. Quantas e quantas vezes repetimos tantas vezes uma mesma ação que nem precisamos mais prestar atenção ao executá-la e assim poupamos nosso cérebro de grandes esforços.

Por causa do pouco esforço que o cérebro tem que fazer quando repete uma ação, o processo de mudança vem na contramão disso tudo: mudar requer esforço, energia e muita atenção. Ao mesmo tempo que para alguns mudar é sinônimo de prazer, para muitos, é uma ação extremamente desgastante. Quem encara a mudança como negativa, pode apresentar sintomas de medo e angustia ao ter que quebrar uma rotina já determinada.

Mudar com equilíbrio e sem exageros faz muito bem a saúde mental, pois ajuda a criar novas conexões neurais, estimula a capacidade de adaptação e interação com o novo. As mudanças acontecem naturalmente ao longo da vida e ser capaz de adaptar-se a elas faz parte da sobrevivência natural do ser.

Quem sente medo e não consegue mudar, costuma fazer da sua vida uma rotina sem fim, se preocupa com o que pode dar errado e prefere não mexer no que está funcionando bem. São pessoas com nível de crítica exacerbados e até mesmo perfeccionistas. Esse problema pode afetar a vida pessoal e profissional. Um bom trabalhador é aquele que está pronto para as novidades do mercado de trabalho, e é aquele que pode responder rapidamente a um novo chamado e pedido de ação.

"Não é o mais forte quem sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças", disse Leon C. Megginson.

Todo medo tem cura. Reconhecê-lo é o primeiro passo. Ser capaz de perceber que o medo paralisa e não ajuda no crescimento pessoal pode ser fundamental para conscientização do problema existente. Tratamento psicológico, com técnicas de psicoterapia breve, como hipnose, programação neurolinguistica e EMDR podem ser suficientes para a cura e bem-estar.

Lembrando que quem muda o tempo todo e não mantém vínculo ou regras para o bem viver, pode sobrecarregar o corpo e a mente levando ao estresse. Manter o equilíbrio é a chave do sucesso pessoal e profissional.

Dicas para mudar com segurança

Durante o processo de escolha:

Ninguém nunca terá todas as informações suficientes para tomada de ação além do que se sabe no momento presente
É fundamental a capacidade de viver as escolhas e suas consequências
É necessário esforço, energia para fazer acontecer qualquer mudança, mesmo as menores
Comece pequeno e mantenha na direção que deseja, sem criar muito esforço.
Mudar é preciso, sempre. Sucesso e boas escolhas para novas ações.

Fonte: Minha Vida

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Torne sua casa um lugar mais relaxante



A vida anda muito estressante, não é mesmo? Cada vez mais cobranças lotam nossa mente, seja do trabalho, família, parceiro... E o primeiro lugar que deveria ser um oásis de calma nessa rotina maluca é a nossa casa, certo? "A casa precisa ser um lugar em que a pessoa fuja do estresse. Se permitir ter um tempo livre e pessoal para experimentar o ócio construtivo é fundamental para a saúde e qualidade de vida das pessoas", comenta o psiquiatra Leonard Verea, especializado em Medicina Psicossomática e em Medicina do Trabalho. E para se criar esse espaço perfeito para relaxar, algumas mudanças precisam ser feitas. Se você nem sabe por onde começar, elaboramos um guia do que você pode mudar na sua casa para torná-la um verdadeiro spa.
Aposte na meia luz

Uma boa pedida é comprar lâmpadas com menor voltagem, ou mesmo colocar em casa interruptores com gradação de luz, isso porque, quanto mais iluminado um ambiente, maior a sensação de que ainda é dia. "A meia luz cria um ambiente escuro, que informa ao cérebro que é noite e isso estimulará a produção de melatonina, substância indutora do sono", explica o psiquiatra Leonard Verea, especializado em Medicina Psicossomática e em Medicina do Trabalho. E quando o corpo se prepara para dormir, ele naturalmente relaxa. "Damos ao corpo os indicativos que ele precisa para passar da fase ativa para a fase de descanso", define Allan Lopes, geobiólogo e fundador da Casa Saudável, consultoria em geobiologia que sugere melhorias em sua casa em prol da saúde.
Inspire relaxamento

Os cheiros da casa também podem ajudar no relaxamento, ainda mais quando lembram algo familiar. "Aromas familiares e intensos, como os da flores, florestas ou do mar, são reconhecidos pela emoção por trazerem boas sensações da juventude, diminuem a ansiedade", explica a psicóloga Samia Maluf, especialista em aromaterapia da clínica By Samia. De acordo com a especialista, o óleo mais usado para esses fins é a lavanda, que pode até trazer bons resultados para casos de insônia. "Ele pode ser utilizado num aromatizador de plug ou num réchaud, ou usado em sabonetes ou sprays, desde que tenham sido feitos com o óleo essencial", diferencia a especialista.
Troque de noticiário

Notícias ruins não tem uma boa repercussão no nosso corpo. Muito pelo contrário, elas ajudam a estressar ainda mais. "As situações limite contaminam a todos - mesmo que não sejam vítimas diretas - pois trazem à realidade uma cena dramática em um nível de destruição com o qual é muito difícil lidar", acredita Verea. Ou seja, ao invés de se informar de todos os crimes cometidos no dia, porque não mudar de canal? O mesmo vale para as notícias da internet, tente dar mais atenção a assuntos mais amenos quando chega em casa.
Escolha um bom sofá

E nada como descansar em um sofá bem confortável, não é o mesmo? O problema é que se o sofá é ruim, ou não nos sentamos ou mesmo deitamos de forma correta, é mais difícil relaxar. "Em geral a dor nas costas é causada pela má postura, pois algum musculo fica tenso ou não suporta a posição por longos períodos. Isso pode impedir as pessoas de descansarem", ensina o ortopedista Cássio Trevizani, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Não se preocupe, você pode deitar-se nele, desde que não seja por horas a fio! E ao sentar-se, procure sempre deixar as costas alinhadas e os pés encostados no chão. "Verifique ao comprar se ao sentar-se seus joelhos não ficam mais altos do que o bumbum, pois isso deixa os joelhos mais dobrados e desconfortáveis", explica o especialista. O material do sofá é algo importante: "quando for muito macio, é mais fácil esses desiquilíbrio acontecer, já que o peso do tronco fica sobre o bumbum, e isso faz que ele afunde", conclui.
O som da calma

Alguns tipos de música têm o poder de nos deixar mais calmos. Existem até pesquisadores que buscam montar rankings com músicas mais ou menos relaxantes... "O ideal é que sejam músicas calmas e sem letras, só sons, como de mar, vento", define o psiquiatra Verea. Mas o problema é que nem sempre isso funcionará com todas as pessoas! Alguns podem acabar ficando mais inquietos com esse tipo de som, justamente por não gostarem. "Cada pessoa relaxa de acordo com o seu estilo de vida e estilo musical, portanto não há problemas em relaxar ouvindo heavy metal, desde que seja o gosto da pessoa. Se a música te faz esquecer dos problemas, relaxar e acalmar, ela pode ser utilizada com esse fim", conclui o especialista. Portanto, tente ver qual a música te ajuda a se desconectar do mundo e do estresse do dia e aproveite.
Banho "no stress"

Que tal lavar os problemas junto com a sujeira do corpo? Um banho relaxante pode ser a melhor forma de aproveitar bem de entrar no clima de descanso. "Muitas vezes o estresse se configura por acúmulo de tensão no corpo. Esta tensão pode ser liberada através de um banho morno, pois a temperatura irá estimular a circulação sanguínea", comenta o geobiólogo Lopes. O contrário, porém, também é verdadeiro, já que o corpo se ativa com a água mais fria e também pode liberar suas tensões. Portanto, a temperatura depende de você. "É importante que cada um faça testes de como se sente melhor após um banho morno e após um banho mais frio", conclui o especialista.

Fonte: Revista Minha Vida

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

A Natureza e os Benefícios para a saúde mental e física


Tão diferente da realidade dos carros, buzinas e cinza da poluição, estar em contato com a natureza resultará em benefícios para a saúde mental e física. A tranquilidade do verde e do natural diminui o estresse, alivia a tensão e traz relaxamento, o que consequentemente diminuirá a pressão arterial, resultando em menos dores de cabeça e doenças.

Ficar em contato com a natureza faz com que as pessoas se sintam mais vivas. “A natureza é combustível para a alma”, diz Richard Ryan, professor de psicologia da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos. “Na maioria das vezes, quando nos sentimos esgotados procuramos por uma xícara de café, mas as pesquisas sugerem que uma forma melhor de se manter energizado é conectar-se com a natureza.”

Com todos esses benefícios para a saúde citados até agora, não é de se espantar que outras pesquisas também mostrem que as pessoas não só se sentem vivas ao realizarem passeios ao ar livre, que até mesmo as lembranças desses passeios desencadeiam sentimentos de felicidade.

Para as crianças, os benefícios para a saúde vão além do mental. Além de fortalecerem seus sistemas imunológicos e auxiliarem na perda de peso, o contato com a natureza também estimula a independência e a criatividade delas.

Banhos de sol e muita saúde
O sol é uma fonte riquíssima para aquisição de mais saúde em seu dia a dia. A exposição ao sol de 10 a 15 minutos por semana estimula a produção de vitamina D, a qual é muito importante para a saúde dos nossos ossos e sangue. O sol também auxilia na liberação de uma das substâncias responsáveis pela nossa sensação de bem-estar, a serotonina, e na redução dos níveis do hormônio do sono, a melatonina, dando maior disposição para o nosso dia a dia. Ao tomar os famosos “banhos de sol”, você também melhorará a circulação sanguínea e fortalecerá o sistema imunológico do organismo, estimulando a produção de glóbulos brancos, além de auxiliar na melhora dos processos inflamatórios de algumas doenças de pele.


Fonte: Site Alaya

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

4 dicas simples para melhorar a qualidade do seu tempo



Em uma pesquisa com leitoras de CLAUDIA, as brasileiras abriram o jogo e declararam que se sentem culpadas, sem tempo e com excesso de tarefas e cobranças. O problema é que conciliar todas as atividades profissionais mais as tarefas diárias, como mãe e esposa, vira quase uma missão impossível. Para ajudá-las, conversamos com Christian Barbosa, o maior especialista brasileiro de administração de tempo e produtividade, que lança em breve o livro "Equilíbrio e Resultado – porque as pessoas não fazem o que deveriam fazer?". Ele sugere:

Mude a forma como você pensa

Frequentemente deixamos para fazer as coisas depois, acreditando que, no final, sempre dará tempo. Resultado: realizamos as tarefas no último segundo e ficamos com um sentimento de culpa, de que teria ficado melhor se tivéssemos executado com mais calma (lembrou-se do último relatório que você entregou ao seu chefe?). Planejar o que você tem que fazer e antecipar-se em até dois dias ajuda a evitar o stress com o prazo.

Desenvolva um método para gerenciar seu tempo

Avaliar o tempo que você leva para realizar as tarefas, e ter em mente o que precisa ser solucionado naquele dia, ajuda a criar uma rotina planejada, com espaço para momentos mais leves e prazerosos. Pense em quanto é delicioso sair do escritório no horário, com o seu trabalho em ordem, e poder jantar com a família. Pode fazer parte do seu método, por exemplo, fazer o que exige concentração na parte da manhã.

Escolha uma ferramenta que facilite organizar seu tempo

Pode ser um caderno, o Outlook, a agenda do celular, uma listinha numa folha de papel... Assim fica mais fácil saber de quais atividades não pode de jeito nenhum esquecer e a impede de querer marcar mais de um compromisso no mesmo horário.

Persista na mudança

As pessoas costumam desistir de uma mudança de hábito na segunda semana de tentativa, achando que não vão conseguir adaptar-se à nova rotina. O segredo para ganhar maior qualidade de tempo é manter o ritmo por cinco ou seis semanas. Na sétima o seu novo modelo será natural e estará incorporado ao seu dia a dia.


Fonte: M de Mulher