quinta-feira, 24 de abril de 2014

Excesso de exercícios pode causar lesões na musculatura



Aproximadamente 50% das lesões do esporte estão relacionadas ao "overuse", ou seja, pelo excesso das atividades. A frequência das lesões por excesso de uso, nos locais de atendimento inicial, é geralmente duas vezes maior do que as lesões agudas. A maioria das lesões no tratamento de corredores está relacionada ao overuse, sendo cerca de metade destes envolvidos na perna (20%), tornozelo (15%) e pés (15%).

As lesões por excesso de uso ocorrem em decorrência de microtraumas que levam a lesão do tecido local, e geralmente estão relacionadas a mudanças na forma, intensidade ou duração dos treinos. A falta do equilíbrio entre o período de recuperação pós-treino e a geração de uma nova sobrecarga tende a ser a causa das lesões por repetição. É importante ressaltar que as lesões do tecido, mesmo que pequenas, vão se sobrepondo pelo uso aumentado, sem tempo suficiente para a reparação tecidual, o que leva depois de um tempo ao aparecimento de sintomas como dor e incapacidade.

A possibilidade da ocorrência das lesões são maiores em atletas que já tenham tido uma historia anterior de lesão, ou que caminham/correm mais de 32 km por semana. Algumas características do atleta também podem facilitar a ocorrência das lesões, como a falta de equilíbrio muscular, diminuição da flexibilidade, fraqueza e instabilidade em uma determinada articulação. Pés cavos, aqueles com maior curvatura, foram comprovados em ser um fator de risco para ocorrência de lesões, quando comparados aos pés planos. Outros fatores incluem técnica esportiva mau realizada, equipamentos inadequados, e alterações intensas da duração ou na sobrecarga dos treinos.

As lesões mais comuns por excesso de uso são tendinopatias (machucado no tendão), fraturas por estresse, síndrome compartimental e periostites (canelites). O diagnóstico pode ser feito por meio da conversa com o médico e exame físico. Em alguns casos o uso de exames de imagem pode ser necessário - desde radiografias até tomografia e ressonância magnética.
Seguem algumas dicas para o tratamento dessas lesões:

Diminuir a intensidade, duração e frequência da atividade física
Adaptar o tipo de treinamento e intercarlar os treinos mais intensos com outros de menor sobrecarga, além de realizar atividades que permitam o equilíbrio muscular de diferentes regiões - não apenas as voltadas diretamente a modalidade
Melhorar as técnicas do esporte com educador físico ou técnicos
Realizar atividade de aquecimento muscular e diminuição progressiva, antes e após os exercícios
Utilizar gelo para pequenas dores após o treino
O uso de medicações anti-inflamatórias poderão ser necessárias.
Se os sintomas persistirem, procure um especialista na área medica para aliviar os sintomas e ainda reorientar e oferecer mudanças para a realização da atividade física. Há casos em que fisioterapia ou outras modalidades de terapias adjuvantes poderão ser incorporadas ao tratamento e a retomada da atividade física.

Prevenção

A maioria destas lesões pode ser prevenida com a realização de um treino adequado e bom senso. Aprenda a escutar o seu corpo. Não se deve intensificar em mais de 10% o seu treino por semana. Isto se aplica tanto para intensidade das atividades aeróbicas, como velocidade e distância, quanto para elevação de pesos para fortalecimento. Outras dicas envolvem:
Sempre lembrar de aquecer e resfriar antes e apos os exercícios
Realizar também treinamento de fortalecimento muscular global, aumento da flexibilidade e na estabilização da musculatura do core (grupo de músculos que confere segurança a sua coluna) para melhor execução das atividades físicas
Busque a avaliação de profissionais do ramo se estiver iniciando ou passando a sentir qualquer incômodo com a atividade física
Durante a fase de treinamento procure poupar a região lesada, apenas mantendo atividades que permitam manter a condição do preparo físico.
O mais importante, em casos de sintomas intensos ou persistentes, é procurar um médico especialista.

Com informações do site Minha Vida

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Receita de Lombo de Bacalhau com Batata Doce


Já preparou o almoço? Que tal uma receita deliciosa? Separamos hoje uma receita de Lombo de Bacalhau com Batata Doce. 

Ingredientes
1 kg de bacalhau dessalgado
1 batata doce média
1 caixinha de mini tomates
1 cebola em rodelas finas
6 dentes de alho
1 ramo grande de alecrim fresco
Ramos de tomilho fresco
Mix de pimentas ou pimenta do reino moída na hora a gosto
Azeite de oliva
Sal a gosto

Modo de preparo

1.Descongele o bacalhau e coloque os lombos num tabuleiro mais fundo, um ao lado do outro
2 Numa almofariz (cumbuca para socar temperos) coloque os dentes de alho, as ervas frescas picadinhas com a tesoura, o sal e a pimenta
3 Cuidado com o sal, pois o bacalhau já é salgado, mas talvez precise apenas de um pouco mais
So que até misturar tudo
4 Encha com azeite e misture. Jogue este tempero sobre os lombos de bacalhau
5 Agora descasque a batata doce e pique em rodelas e distribua na forma
6 Coloque também as rodelas de cebola e os mini tomates
7 Para finalizar tudo, dê mais uma boa regada de azeite sobre tudo, tampe com o papel alumínio com lado brilhante virado para baixo (pois assim que é o certo) e leve ao forno preaquecido 180 graus

O meu demorou uma hora com papel alumínio e mais uns 40 minutos sem o alumínio, mas aí cabe a você ficar observando o cozimento de tudo
Depois de pronto, um arroz branquinho ou com castanhas vai bem

Com informações do site Receitas de Comida

terça-feira, 22 de abril de 2014

Hipertensão: Entenda o problema


Os problemas relacionados à pressão arterial acabam dando origem a uma série de outros males. Conheça alguns e veja como eles abalam a sua saúde a médio e longo prazo.

O que é arteriosclerose e como ela está relacionada à pressão alta?
Um dos problemas mais sérios relacionados à pressão alta é a arteriosclerose, que pode levar a doenças coronarianas. Pessoas com pressão alta têm mais chances de desenvolver doenças coronarianas porque a pressão alta coloca mais força nas paredes das artérias. Com o tempo, essa pressão extra pode danificar as artérias, tornando-as mais vulneráveis ao estreitamento e ao depósito de placas. Isso reduz o fluxo de sangue para o coração, privando-o de oxigênio. O endurecimento das paredes das artérias também pode levar à formação de pequenos coágulos de sangue.

Como a arteriosclerose é diagnosticada?
Normalmente, a arteriosclerose não é diagnosticada até a pessoa reclamar de dor no peito. Nesse estágio, o médico pode realizar exames de vão avaliar o risco de doenças do coração. São eles:
Eletrocardiograma: exame que verifica a atividade elétrica do coração. Pequenos eletrodos são fixados na pele do seu peito, braços e pernas
Cateterismo: Introdução do cateter para diagnosticar problemas cardíacos ou obstrução nas artérias
Testes de esforço: durante esse exame, você se exercita numa bicicleta ergométrica ou numa esteira para elevar seus batimentos cardíacos enquanto eles são monitorados
Ecocardiograma: um exame de ultra-som do coração. Permite fazer uma análise da anatomia e do funcionamento do órgão. Em geral, é acompanhado de um exame de som, que verifica o fluxo sanguíneo pelo coração
Tomografia computadorizada: um raio-x e um computador são usados para construir uma imagem do coração
Ressonância magnética: faz imagens dos vasos sanguíneos, mostrando onde eles podem estar bloqueados

Pressão alta e derrame
Um derrame ocorre quando o fluxo de sangue para uma área do cérebro é paralisado. Como resultado, as células do cérebro, sem o oxigênio e a glicose necessários para a sobrevivência, morrem. Se não detectado logo, estragos permanentes podem se instalar. Pessoas hipertensas têm de quatro a seis vezes mais chances de ter um derrame.

Como ocorre um derrame?
Existem dois tipos de derrame:
Isquêmico: É semelhante a um ataque do coração, mas ocorre nos vasos sanguíneos do cérebro. Os coágulos podem se formar tanto nos vasos sanguíneos do cérebro ou nos vasos que chegam ao cérebro. Esses coágulos barram o fluxo de sangue para as células do cérebro. O derrame isquêmico também ocorre quando muita placa gordurosa se acumula nos vasos sanguíneos do cérebro. Cerca de 80% dos derrames são dessa natureza

Hemorrágico: Ocorre quando um vaso sanguíneo do cérebro se quebra ou rompe. O resultado é o sangue se espalhando para os tecidos, danificando as células. As causas mais comuns são pressão alta e aneurisma (dilatação anormal de um vaso)

Pode ocorrer também um mini-derrame, um sinal de iminente derrame. Consiste dos mesmos sintomas de um derrame, mas eles são temporários, durando 15 minutos ou menos. Pode acontecer minutos ou meses antes de um derrame. Por isso deve ser tratado.

Como um derrame é tratado?
O melhor caminho é a prevenção. Caso ele já tenha ocorrido, o médico pode aplicar uma medicação intravenosa que desobstruirá a artéria, principalmente nas três primeiras horas depois do início do derrame. No caso do derrame hemorrágico, o caminho é controlar a pressão ou até mesmo realizar uma cirurgia.

O derrame pode ser evitado?
Cerca de 50% dos derrames podem ser evitados. Muitos fatores de risco podem ser controlados antes que causem problemas. São eles:

Pressão alta
Fibrilação arterial
Diabetes fora do controle
Colesterol alto
Fumo
Álcool (mais de uma dose por dia)
Estar acima do peso
Doenças do coração ou na carótida (artéria na cabeça)

Algumas pessoas podem precisar de procedimentos para remover placas das artérias ou alargá-las para melhorar o fluxo sanguíneo.

O que é um ataque do coração?
Acontece quando o fluxo de sangue no coração é interrompido. Sem sangue e oxigênio, parte do coração começa a morrer. Como ele não consegue bombear o sangue de forma adequada, o corpo acaba retendo líquidos e sódio. Os fluidos começam a se acumular nos braços, pernas, joelhos, pulmões e outros órgãos. O corpo fica congestionado. Nem sempre um ataque do coração é mortal. Um atendimento rápido pode restabelecer o fluxo sanguíneo. Os sintomas podem ser:

Falta de ar
Inchaço
Dificuldade para dormir deitado
Pulsação irregular
Náusea
Fadiga
Maior necessidade de urinas durante a noite

Durante um ataque do coração, os sintomas duram cerca de 30 minutos ou mais e não são aliviados com o repouso ou com medicação oral. Os sintomas iniciais podem começar com um leve desconforto que progride para dor. Algumas pessoas têm um ataque do coração sem ter nenhum sintoma. Pode acontecer com qualquer pessoa, mas é mais comum entre diabéticos. Se você estiver tendo um ataque do coração, não tarde em procurar socorro médico. O tratamento imediato é essencial para minimizar os danos.

Como as doenças hipertensivas do coração são diagnosticadas?
Seu médico vai procurar alguns sinais, como:
Pressão alta
Crescimento do coração ou batimentos cardíacos irregulares
Fluidos nos pulmões ou nas extremidades inferiores do corpo
Barulhos estranhos no coração

Eletrocardiograma, ecocardiograma, teste de esforço, raio-x do peito e outros exames também podem ser pedidos.

Como elas são tratadas?
Seu médico vai tratar a hipertensão, que é a causadora das demais doenças. Para isso, ele usará vasodilatadores e outros remédios, como diuréticos, inibidores da angiostesina, bloqueadores dos canais de cálcio, bloqueadores de beta e IECAs. Além disso, ele pedirá mudanças no seu estilo de vida, como:
Dieta: se um ataque do coração estiver em jogo, reduzir a quantidade de sódio ingerida para 2g ou menos por dia é recomendado. Além disso, ingira mais fibras e potássio, limitando a quantidade de calorias para perder peso. Restrinja o uso de açúcar refinado, gorduras saturadas e colesterol
Monitore seu peso: isso envolve aumentar seu nível de atividade (conforme recomendado pelo médico) e verificar o peso todo dia
Evite o tabaco e o álcool
Check-ups regulares

Em alguns casos, você pode precisar de uma cirurgia para corrigir uma doença do coração. Pode ser um marcapasso, uma válvula mitral reparadora, cirurgias vasculares e a implantação de um equipamento de assistência ao ventrículo esquerdo.

Pressão alta e doenças nos olhos
Além de causar problemas para o coração e para os rins, a hipertensão maltratada pode afetar sua visão e causar doenças oculares. A hipertensão pode danificar os vasos sanguíneos na retina, a área atrás do olho onde a imagem é formada. Essa doença é conhecida como retinopatia hipertensiva. O dano pode ser sério se não for tratado.

Quais são os sintomas?
Em geral, as pessoas não percebem os sintomas. A retinopatia acaba sendo diagnosticada em exames de rotina dos olhos. Alguns sintomas podem ser dor de cabeça e problemas para enxergar.

Como é diagnosticada?
Um oftalmologista pode diagnosticar a retinopatia por meio de um instrumento que projeta luz para examinar o fundo do seu olho. Alguns sinais da doença são:

Estreitamento dos vasos sanguíneos
Infiltração nos vasos sanguíneos
Manchas na retina
Inchaço da mácula e do nervo óptico
Sangramento no fundo dos olhos

Como evitar?
Mantenha sua pressão sob controle, com uma dieta adequada, exercícios e até remédios. Além disso, visite o médico regularmente.

Pressão alta e diabetes
A combinação de diabetes e pressão alta pode potencializar o risco de doença cardiovasculares. Por isso, quem tem diabetes e pressão alta deve cuidar tanto dos níveis de açúcar no sangue quanto da hipertensão. Alguns remédios para hipertensão pode ter um efeito negativo na taxa de glicose. Por esse motivo, muitas vezes os diuréticos são usados para tratar hipertensos diabéticos. Eles não influenciam os níveis de açúcar. Além disso, a combinação de pressão alta e diabetes é um importante fator de risco para o desenvolvimento e piora de várias complicações do diabetes, incluindo doenças nos olhos e nos rins. Isso afeta cerca de 60% das pessoas diabéticas.

Ter diabetes aumenta o seu risco de desenvolver pressão alta e outras doenças cardiovasculares porque o diabetes afeta de forma negativa suas artérias, tornando-as predispostas à arteriosclerose (endurecimento das artérias). A arteriosclerose pode causar pressão alta que, se não tratada, leva a estragos nos vasos sanguíneos, derrame, ataque do coração e insuficiência renal. Comparados a pessoas com uma pressão sanguínea normal, os hipertensos têm mais risco de:

Doenças coronarianas
Derrames
Doenças vasculares periféricas
Insuficiência cardíaca

Qual deve ser a pressão de quem tem diabetes?
Ela não deve ficar acima de 130/80. O primeiro número se refere à pressão sistólica ou a pressão que ocorre nas artérias quando o seu coração bate e enche as artérias de sangue. O segundo número está relacionado à pressão diastólica, ou seja, a pressão exercida nas artérias quando o seu coração está em repouso, no intervalo entre os batimentos. Ter uma pressão normal é tão importante para lidar com o diabetes quanto controlar os níveis de açúcar no sangue.


Com informações do site Minha Vida

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Benefícios da dança


Uma ótima atividade para se exercitar e queimar calorias de um jeito diferente e divertido é dançar. A dança, além dos benefícios estéticos, proporciona doses de relaxamento e diversão, trazendo ao aluno uma diversidade de exercícios que ele não encontraria em mais nenhum esporte.  Além disso, por envolver música associada ao movimento e expressão corporal, traz ao praticante, a sensação de liberdade e vivências diferentes com o corpo.

Talvez por isso, o número de mulheres que procuram escolas de dança ou aulas dançantes nas academias com o intuito de perder peso, tem aumentado cada vez mais, como nos contou Rodrigo Nolasco, professor de Dança de Salão da Escola de Dança Celso Vieira. “Dançar é uma atividade física que leva ao aumento do gasto energético. Algumas modalidades podem gastar mais e outras menos. Uma pessoa com 70 kg, por exemplo, pode gastar durante 60 minutos dançando um ritmo moderado, cerca de 315 kcal. Esta demanda energética equivale ao gasto estimado de uma caminhada ou um passeio de bicicleta leve a moderado.  Dançando 4 vezes por semana, esta pessoa poderá gastar 1260 kcal e,  aliada a dieta equilibrada, este gasto calórico contribuirá para um emagrecimento mais rápido e saudável”, afirma o professor.

Modalidades
O segundo passo depois de se matricular numa aula de dança, é escolher qual modalidade praticar. Devido a grande variedade de ritmos, as pessoas costumam ficar confusas na hora de optar por um estilo e se perguntam qual as proporcionará mais benefícios e mais perda de calorias.

Nesses casos, o coreógrafo e diretor da ABR, Alan Brasil, aconselha que o mais importante é eleger a que lhe dá mais prazer, pois só assim a dedicação será completa e os benefícios maiores ainda. “Existem vários tipos de dança indicados para o emagrecimento, como a salsa, o dance, o hip hop, a dança de salão, entre outros. Todas essas modalidades auxiliam no processo de emagrecimento. Porém, o importante não é o estilo escolhido para dançar, e sim, uma dança que você realmente realize com muita intensidade por ter prazer em praticar, e isso só é possível se você dançar com amor. Quanto maior a intensidade maior os gastos calóricos!”, acredita Alan”.  

Com informações do site Corpo a Corpo

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Brigadeiro de colher crocante


Já estamos pertinho da Páscoa e que tal uma receita de brigadeiro de colher bem crocante para esta tarde? Confira o passo a passo. 

Preparo: Médio (de 30 a 45 minutos)
Rendimento: 6 porções
Dificuldade: Fácil
Categoria: Docinho
Calorias: 209 por porção

Ingredientes

. 1 lata de leite condensado
. 100 g de chocolate meio amargo picado
. 1 colher (sopa) de manteiga
. 1/2 xícara (chá) de leite
. 1 xícara (chá) de bolinhas de chocolate crocante

Modo de preparo

Em uma panela média, ponha o leite condensado, o chocolate, a manteiga e o leite. Cozinhe em fogo baixo, mexendo sem parar, até a mistura ficar homogênea e se desgrudar totalmente do fundo da panela. Deixe esfriar, misture 1/3 das bolinhas de chocolate, decore o creme com bolinhas restantes e sirva.


Com informações do site M de Mulher

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Feijão reduz colesterol


Estudo canadense e americano sugere que consumo diário de uma porção de leguminosas não oleaginosas diminui em 5% o nível de LDL

Conduzida por pesquisadores de vários centros, a pesquisa analisou 26 ensaios clínicos randomizados que incluíram 1.037 pessoas. Apesar das disparidades entre os estudos, os pesquisadores encontraram uma taxa de redução de 5% na lipoproteína de baixa densidade (LDL) com o consumo de 130 gramas ou 3/4 de xícara de leguminosas não oleaginosas por dia.
Homens têm maior benefício
Os homens tiveram mais redução dos níveis de LDL do que as mulheres. Os cientistas acreditam que o maior benefício se dê pelos altos índices de colesterol ruim encontrados neles.
“A redução de 5% (no colesterol LDL) em nossa meta-análise sugere uma redução do risco potencial de 5% a 6% em grandes eventos vasculares”, escreveu John Sievenpiper, do Centro Clínico de Nutrição e Fator de Risco do Hospital St. Michael, em Toronto, no Canadá.
As leguminosas como o feijão fazem bem ao organismo também por seu índice glicêmico baixo, o que significa que elas liberam açúcar lentamente e em menor quantidade no sangue. No entanto, alguns participantes do estudo relataram problemas de estômago como inchaço, flatulência, diarréia ou constipação.
Os autores acreditam que a ingestão das leguminosas também tenha impacto benéfico no peso corporal, na pressão arterial e no controle da glicose.


Com informações do site O Globo

Você consegue ter autocontrole?


Pessoas que possuem bom autocontrole costumam ser bem sucedidas em várias áreas da vida. Por outro lado, pessoas sem autocontrole não conseguem alcançar muitos objetivos, são explosivas e costumam ser marginalizadas por companheiros de trabalho e amigos. Desenvolver essa habilidade é como fazer musculação. Exige treino, disciplina e exercícios mentais que ajudem a fortalecer essa característica.

 Respeite o seu limite

Um dos maiores riscos para o autocontrole é não respeitar o seu limite. Nas áreas que mais nos controlamos é que temos maior dificuldade para suportar possíveis tentações. Reconheça quando seus níveis de autocontrole estiverem baixos e procure encontrar um caminho alternativo para evitar os impulsos e vontades que não devem ser correspondidos.

Faça um comprometimento antecipado

Se comprometa com sua decisão antes de se envolver na situação tentadora. Isso é difícil porque normalmente queremos deixar todas as opções em jogo, mas, na realidade, isso prejudica ainda mais o desempenho de quem quer controlar as próprias atitudes e emoções. Se seu problema é com dinheiro, por exemplo, faça um comprometimento antecipado de que não irá gastar mais do que seu limite seguro por mês.

 Use um sistema de recompensas

Recompensas podem funcionar muito bem para fortalecer o autocontrole. Todas as vezes que conseguir evitar determinado impulso e ser bem sucedido em uma situação tentadora, premie-se com algo que gostaria muito de fazer ou ter.

 Ou um sistema de penalidades

Da mesma forma que você usa recompensas, use penalidades para desenvolver seu autocontrole e percepção de riscos. Ao errar, tire de si mesmo privilégios que valoriza muito como, por exemplo, acesso a redes sociais, doces ou sair nos finais de semana.

 Combata o inconsciente

O inconsciente pode ser parcialmente culpado por muitas de nossos erros ao tentar resistir às tentações, já que ele entra em conflito constante com nossas decisões racionais. A dica é simples, mas difícil de por em prática, tente lutar contra as tentações em sua mente, para que elas não se desenvolvam em futuras ações.

 Controle suas expectativas

Para manter sua motivação mais alta do que seus impulsos, coloque suas expectativas a seu favor. Ao invés de pensar que nunca irá conseguir, tenha expectativas positivas de que servirão como motivação para continuar.

 Ajuste valores

Da mesma maneira como você pode pensar de maneira otimista, é bom que ajuste seus valores e princípios para que fortaleçam você em momentos mais difíceis. Quando valorizamos mais esses fatores do que o objeto da tentação, fica mais fácil de resistir a ela e considerar os fatores de risco e consequências.

 Emoções

Se você não tiver uma boa imagem de si mesmo, será ainda mais difícil de desenvolver ao autocontrole. Tenha opinião positiva e motivadora sobre si mesmo, sem deixar que as outras pessoas ou circunstâncias determinem a maneira como você deve se sentir.

 Faça afirmações

Muitas vezes ter autocontrole significa evitar maus hábitos. Uma maneira de fazer isso é usar auto-afirmações. Isso significa usar frases e palavras para reafirmar aquilo que você acredita, busca e quer manter equilibrado em sua vida.

 Pense de maneira abstrata

Pense em porque você está fazendo algo e não em como está fazendo para pensar de maneira abstrata. Esse tipo de mentalidade ajuda a elevar o autocontrole e a persistência em resistir.


 Com informações do site Universia