quinta-feira, 30 de julho de 2015

Entenda se a sua pisada tem um problema


Avaliar uma pisada parece uma tarefa feita apenas para especialistas, afinal, não é algo que as pessoas costumam fazer com frequência. E isto só ocorre porque raramente nos interessamos em observar como pisamos, a não ser que tenhamos alguma dor ou outro desconforto nos pés. Por este motivo, este artigo foi feito para que todos possam ter uma ideia de como identificar as principais alterações de pisada e, com isso, possam fugir de problemas desnecessários.

Para começar, peça para que alguém olhe você andando. Certamente, esta pessoa (que não precisa ser nenhum perito no assunto) irá perceber aspectos mais gerais como inclinações do corpo, tamanho do passo, movimentos de joelho, assimetrias chamativas e outros movimentos extremamente notáveis, caso existam. Estas informações de alguém leigo no assunto ajudam a repararmos em variações mais evidentes. Outro modo semelhante é caminhar em frente e/ou de lado a um espelho grande.

Depois de uma avaliação geral, vamos para um método mais específico. Pegue um par de tênis com maior tempo de uso e observe sua sola. Olhe sempre os dois, um ao lado do outro. Na sola você encontra zonas de maior e menor desgaste. Tente reparar onde estas zonas estão localizadas e o quanto elas estão gastas ou mesmo intactas. As regiões mais usadas podem ser o reflexo das áreas do pé que costumam receber mais peso (em alguns casos são áreas que ficam raspando no chão e não necessariamente recebem carga). E as regiões menos alteradas são aquelas menos usadas, ou seja, relacionadas às áreas dos pés que não recebem tanto peso. Em seguida, olhe os calçados por trás e tente perceber algum desnível na sola na parte de trás. Esta característica está relacionada ao tipo de apoio do calcanhar. Um desgaste na parte interna sugere um mesmo apoio na parte interna do calcanhar, bem como no caso do desgaste na parte externa, que sugere um apoio na parte externa.

Agora vamos mais a fundo e, utilizando o mesmo calçado olhe a palmilha dele (se for possível retirá-la para fora será mais fácil). A maioria das palmilhas fica marcada com o tempo, sendo possível notar que os pontos de maior pressão do pé fazem o material dela ceder mais que os pontos de menor pressão e por isso, com o tempo, elas nos mostram as regiões do pé mais utilizadas.

Por último, vamos observar a sola de nossos pés. Passe a mão de leve e irá reparar regiões onde a pele é mais densa, mais rígida, ou áspera. Estas são regiões tem a pele mais espessa por ser mais usadas e receberem maior pressão e atrito. Por isso, como uma forma de adaptação a pele fica mais espessa. Diferente é o caso das regiões onde a pele é mais fina, macia e lisa, que representam as áreas menos usadas, que recebem pouca pressão e atrito.

O fato de descobrir que você usa, por exemplo, mais a parte interna do pé, não significa que precisa colocar um calço em um dos lados, ou que precisa comprar um tênis com reforço unilateral, ou começar a fazer força para corrigir isso, de jeito algum! Muitas vezes, essas alterações não geram dores ou sobrecargas, pois são adaptações harmônicas do seu corpo e por isso, quando alteradas, podem gerar danos irreversíveis.

A necessidade de corrigir algumas alterações na pisada deve ser confirmada somente após uma avaliação profissional especializada. Além da avaliação postural, podem ser feitas a baropodometria estática e dinâmica e a escanometria, exames que medem a pressão exata em cada ponto do pé, inclusive durante uma corrida (existem esteiras de corrida com sensores capacitivos para este tipo de avaliação), bem como uma visualização detalhada do formato e das áreas mais utilizadas. Muitos tratamentos para dores nos pés são realizados, apenas, melhorando a postura e estabilidade de articulações superiores como joelho, quadril e coluna. Somente os casos de dores e lesões onde são observadas as influências do pé são tratados corrigindo-se a pisada, com técnicas específicas e uso de palmilhas personalizadas.

Fonte: Minha Vida

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Controle o colesterol alterando a sua alimentação


A escolha de determinados alimentos pode ajudar a reduzir o nível de colesterol, dependendo dos casos, abolindo até a necessidade de remédios para o problema. O problema, muito comum entre a população mundial, é um dos grandes responsáveis por doenças cardiovasculares como o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC).
De acordo com a Associação Americana do Coração, assim como o poupador não deve aplicar todo dinheiro em apenas um investimento, não adianta nada consumir apenas um alimento. É preciso reduzir drasticamente os produtos que aumentam o colesterol e passar a consumir, de forma equilibrada, o maior número possível de alimentos que ajudam a reduzir as taxas de gordura no sangue.
Peixes ricos em ômega 3 (salmão, atum, bacalhau, etc): essa substância auxilia no controle e na redução do colesterol e dos triglicérides. Soja e derivados: rica em vitamina E, ela aumenta os níveis de HDL, o bom colesterol. Tomate: o licopeno presente nesta fruta não se limita a ajudar a prevenir o câncer de próstata, mas também reduz o colesterol na corrente sanguínea.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Dormir mal faz as pessoas comerem mais


Dormir mal pode contribuir para que a pessoa coma em excesso e assim favorecer problemas de saúde crônicos, como o diabetes, em adultos e crianças. É o que afirma a revisão de diversos estudos publicada na revista científica Journal of Health Psychology da Inglaterra. 

As pessoas consomem os alimentos por fatores biológicos, emocionais, cognitivos e ambientais. Os pesquisadores alegam que dormir mal é capaz de alterar todos esses fatores. Assim, de acordo com os estudiosos, após uma noite de sono ruim o hormônio que controla o apetite é afetado e o estresse emocional é maior, fazendo com que mais alimento seja desejado para compensar a falta de energia e a impulsividade é aumentada. 

Portanto, os pesquisadores defendem que os hábitos de sono também devem ser considerados durante o processo de emagrecimento. 

quinta-feira, 9 de julho de 2015

5 benefícios de dormir do lado esquerdo do corpo


De qual lado do corpo você tem o hábito de dormir? Direito ou esquerdo? Ou você é mais uma das pessoas que prefere dormir de barriga para cima? Especialistas advertem que o melhor lado para dormir é o esquerdo. A seguir, confira nosso artigo e descubra o porque.

5 benefícios de dormir do lado esquerdo do corpo
Pode ser que o título desse artigo te surpreenda. Talvez você seja uma pessoa que, até o momento, não havia parado para pensar no fato de que Dormir em determinada posição pode ser mais ou menos benéfico para nosso corpo. Mas, ao que parece esse detalhe tem sim sua importância.

A realidade é que a medicina oriental já nos dizia a muito tempo que todos deveríamos dormir sobre o lado esquerdo do corpo. Um estudo recente publicado no The Journal of Flinical Gastroenterology demonstrou através de princípios simples, dimensões que o doutor John Doulliard os explica para que entendamos melhor essa questão.

Nesse espaço, faremos um pequeno resume desse estudo para que o coloquemos em prática, e temos certeza que te convencerá.

1. Favorece a drenagem linfática
O doutor Doulliard explica que dormir do lado esquerdo é agir da forma natural. Essa parte é o lado dominante do Sistema linfático, assim, é por esse lado que ocorrem drenagens, por onde a linfa transporta elementos importantes como as proteínas, glicose, metabolitos e elementos que devem ser filtrados pelos nódulos linfáticos e que devem ser conduzidos pela parte esquerda.

Assim, lembre-se que o primeiro princípio é precisamente devido ao nosso sistema linfático, que se beneficiará ao dormirmos desse lado.

2. Por razões anatômicas
Pode ser que agora você não se lembre, mas tanto o estômago quanto o Pâncreas situam-se do lado esquerdo do corpo. Se nos posicionamos desse lado para dormir favorecemos uma melhor digestão. Esse é um modo de canalizar melhor os sucos gástricos, também ajudando as enzimas pancreáticas a serem secretadas com facilidade. Tudo isso ocorre lentamente, e não de uma vez como, por exemplo, costuma ocorrer quando dormimos sobre a parte direita.

3. Para o bem-estar do coração

Surpreso (a)? Provavelmente sim. Esse estudo nos explica que mais de 80% do Coração encontra-se do lado esquerdo do corpo e que por meio do simples ato de dormir do lado esquerdo, favorecemos a saúde desse órgão de um modo simples e natural. Além disso, como já mencionamos, o sistema linfático faz a drenagem mais facilmente nessa posição.

Outro ponto a considerar é que a aorta sai do coração tomando uma forma arqueada para o lado esquerdo para chegar ao abdômen. Se dormirmos do lado esquerdo o coração bombeará o sangue de forma mais simples e eficaz, impulsionando-o mais facilmente. Anote!

4. Você costuma cochilar depois do almoço?
Se você costuma cochilar um pouco depois do almoço, principalmente quando come muito, então não se esqueça de fazer isso optando sempre por se deitar sob seu lado esquerdo. Dessa forma estará favorecendo a digestão e levantará mais relaxado e menos cansado, sem dor no estômago. Prove e verá como cai bem essa soneca pós almoço optando pelo lado esquerdo.

5. Pela saúde do baço

O baço, como se lembrará, também fica do lado esquerdo do corpo. Esse órgão também é parte básica do sistema linfático, necessário para filtrar o sangue e para executar uma ótima função linfática. Se dormirmos na parte esquerda do corpo faremos com que nossos fluidos se dirijam até o baço de uma forma mais simples, favorecendo o sentido natural da gravidade em nosso corpo. A maior parte de nosso sistema linfático executa suas tarefas desse lado do corpo.

Logo, você já sabe, por questão de saúde é sempre mais recomendável dormir do lado esquerdo. Que tal tentar essa noite?

Fonte: Melhor Com Saude

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Como diminuir o estresse de maneiras simples


1. Comece o dia meditando

Vários estudos comprovaram que transformar a meditação em um hábito regular, sem a necessidade de vínculo com nenhuma religião, ajuda a aliviar o desconforto e melhorar a qualidade de vida. Comece o dia com o pensamento positivo, faça planos para o futuro e agradeça por suas conquistas.

2. Use o trânsito ao seu favor

Pare de encarar o tempo no trânsito como desperdício. Aproveite para refletir, escutar aquele CD que você adora, cantar... Seus filhos estão no carro com você? Que tal conversar com eles sobre a escola, as amizades e os planos para as férias?

3. Faça a pausa para o café

Quando sentir que está acelerada, pare de trabalhar por cinco minutos e faça uma pausa. Convide aquela amiga para colocar a conversa em dia.

4. Prepare um banho relaxante

Tenha um momento só seu e cuide-se. O banho é uma ótima oportunidade para recuperar as energias. Você pode mandar por água abaixo o estresse e a tensão acumulados no dia a dia.

5. Leia antes de dormir

Quer aliviar a tensão do dia? Leia um pouco por 30 minutos todos os dias antes de ir pro quarto. Depois, deite e tente desacelerar a mente por dez minutos antes de apagar a luz e fechar os olhos para dormir.

6. Aproveite o fim de semana com a família

Dormir até tarde no domingo parece tentador. Mas isso aumenta a sensação de letargia. Acorde cedo no fim de semana e convide sua família para passear. Aproveite para ficar pertinho de quem você realmente ama.


Fonte: M de Mulher

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Como entender que é hora de mudar?


Mudança é natural e faz parte da vida de todos. Algumas mudanças podem ser planejadas e outras, na verdade, acontecem sem escolha. Faz parte do movimento natural da vida de todos passar por períodos que vão se alterando com o tempo. Um exemplo disso é o período escolar, divididos por séries (a cada ano) e depois a saída da escolar para a faculdade e/ou trabalho. Ainda sim, no trabalho, é comum que as pessoas fiquem por alguns anos em um mesmo lugar e depois mudem par novas empresas. Há quem mude, inclusive, de atividade ao longo da carreira. Ou mesmo aqueles que executam mais de uma atividade, mudando constantemente de ação.

Entretanto, existem pessoas que hesitam mais do que outras em fazer mudanças de planos em sua vida. Há quem se acomode, e por fim, não queira sair do seu "quadrado", do que já é certo e sabido. Alguns dizem estar bem na sua zona de conforto. Na verdade, para mudar é preciso ter muita energia e disposição. As razões mais comuns para não querer mudar ou mesmo escolher adiar ao máximo essa nova fase é pela falta de planejamento, medo do novo, e incerteza do sucesso na nova etapa de vida. Toda alteração obriga atenção e dedicação para se adaptar. Nem sempre as pessoas estão prontas para isso. E nem sempre é fácil ter confiança em si que se pode ser capaz de avançar e manter o sucesso que já se tem. Quem não está centrado e pronto para o novo terá, com certeza, dificuldade de adaptação.

No entanto, ficar parado sem avanço e aprendizado não é saudável para ninguém. O movimento de superação é sempre desafiador e ao mesmo tempo estimulante. Faz bem a cabeça e nos mantem vivos. Então, como perceber que é hora de mudar de estratégia? Como saber a hora certa de realizar uma grande mudança, seja na carreira, seja na vida amorosa, seja em qualquer outra área? Segue alguns possíveis momentos:

Quando temos sonhos maiores do que nossa realidade atual
Quando se pode mais do que se tem
Quando se percebe entediado com a sensação de pouca novidade e poucos estímulos de aprendizado e superação.
A mudança é ótima para estimular a capacidade de adaptação. Quem melhor se adapta as mudanças tem mais flexibilidade para lidar com problemas, tende a ter menos estresse e ser mais ágil na tomada de decisão e capacidade de autoproteção. Viver é se equilibrar sempre. A rotina é excelente até certo ponto, pois quem faz tudo igual não é capaz de estimular a criatividade, nem mesmo superar a si próprio com leveza.

É bem importante para quem quer mudar, tomar algumas atitudes importantes. Lembre-se de estar pronto para tomar as decisões certas para que o processo aconteça. Para que a mudança se torne mais fácil de ser praticada é interessante ter algumas atitudes:

Fazer uma lista de possibilidades de mudança e novos caminhos
Ter atenção para a compreensão das razoes que lhe motivam a mudar (o que exatamente esta lhe indicando esse ou aquele caminho novo, para que quer isso?)
Pedir a observação de outras pessoas que mudaram e suas consequências. O que essa pessoa ganhou? O que ela perdeu? Afinal, mudar não é só ganhar, mas saber se é possível abrir mão do que se perde. Você está disposto a deixar para trás o que?
Adaptar as histórias de sucesso observadas à sua vida e realidade pessoal. Como essas pessoas que você conhece se deram bem mudando e como você terá seu objetivo concretizado? Quais as diferenças que devem ser levadas em conta para isso?
Agora que você tem essas novas informações sobre mudança em mãos, planeje com atenção seus próximos passos e que suas escolhas sejam de sucesso!

Fonte: Minha Vida

quinta-feira, 18 de junho de 2015

4 dicas para ter mais energia já


A mestre em acupuntura Gillian Terry, da Clínica Glendale, dá as dicas simples para impulsionar seus níveis de energia.

1. Durma bem
Uma boa noite de sono é essencial para o sentir-se disposto e alerta. Evitar jantar tarde da noite evita que nosso corpo gaste energia para digerir uma refeição pesada quando ele deveria estar descansando.

2. Não exagere nas sonecas
Dormir muito não vai te fazer sentir-se revigorada, você precisa diariamente de 7 a 8 horas de sono. Não adianta dormir um dia inteiro para “repor o tempo perdido”. Passar um dia inteiro dormindo vai fazer com que você se sinta preguiçosa.

3. Relaxe
A correria do dia a dia não está deixando você dormir? Se você está na cama e não consegue pregar os olhos, use o polegar e o indicador para massagear o glóbulo das suas orelhas, esta região é um dos pontos mais relaxantes do corpo.

4. Alimente-se bem
Comer bem é fundamental para recarregar as baterias. Então, mantenha o foco e não dispense as três refeições mais importantes do dia: café da manhã, almoço e jantar. Porém, fique de olho na qualidade e quantidade de alimentos consumidos, comer em excesso é contra produtivo e nos faz gastar muita energia com a digestão.


Fonte: Brasil Post